A linguagem do Gótico flamejante vai-se acentuando ao longo da segunda metade do século XV. Um bom exemplo é o relicário do Deão João, cónego da Sé de Coimbra e médico do Infante D Pedro como aparece identificado na inscrição que preenche toda a superfície do recetáculo.