O painel central, que dá o nome ao conjunto, ostenta a data de 1531 no entablamento do janelão, à direita.

Cristo ressuscitado, inclina-se para Sua Mãe, deixando ver, através da janela, ou veduta, em fundo de paisagem, uma sequência de episódios dos quais a Ressurreição – tema principal da narrativa – é o primeiro, seguindo-se a Descida ao Limbo, o Encontro a caminho de Emaús e a Aparição a Maria Madalena.

Esta obra testemunha a adesão de Garcia Fernandes aos modelos italianos quer no alongamento das figuras e nas poses individualizadas e delicadas quer no tratamento dos panejamentos.

No interior dos volantes, o Arcanjo S. Gabriel, numa pose que denuncia o movimento descendente, entra no compartimento onde a Virgem está sentada a ler a profecia de Isaías. Dividido em dois painéis – estrutura pouco vulgar para a pintura portuguesa de Quinhentos – este tema enquadra o do painel central.
Nas grisalhas dos dois volantes foi representado o encontro de S. Pedro com Cristo, Quo Vadis? (Onde vais Senhor?). A pergunta tem resposta no painel central, na cena onde o Salvador aparece vitorioso junto à gruta do sepulcro.