A casula aqui exposta pertenceu a uma igreja de Lisboa não identificada e foge à exuberante decoração barroca da época. Tecida em cetim branco, provavelmente de origem chinesa, apresenta uma notável decoração bordada a fio de seda matizado, composta de ramos floridos com cravos, magnólias, peónias e romãs, povoados de aves e borboletas, saindo de duas cornucópias divergentes. Um ramo semelhante, nascido de um vaso, preenche o sebasto debruado por estreita barra de folhagem.