Claramente um retrato contemporâneo de Vespasiano, traduzindo não só as feições mas também a expressão de fadiga, habitual nas representações do imperador, esta obra, proveniente do criptopórtico, foi interpretada como reutilização de uma cabeça de Nero cuja memória nem os governantes nem o povo desejavam perpetuar.