Na sequência da investigação sobre a cerâmica coimbrã que se concretizou com a publicação da monografia Cerâmica de Coimbra: do século XVI-XX, o Museu Nacional de Machado de Castro, em parceria com a Câmara Municipal de Coimbra e a Turismo de Coimbra -Empresa Municipal, organizaram a presente exposição, materializando assim um desejo antigo tanto das entidades promotoras como de todos os interessados na história da cerâmica.

Exemplares representativos da colecção do Museu Nacional de Machado de Castro, de outros Museus e de coleccionadores particulares que amavelmente disponibilizaram peças das suas colecções, resumem a evolução da indústria na cidade e a sua importância para a economia local no período em questão.

A exposição está patente no Convento de São Francisco, próximo do Rossio de Santa Clara, local onde se localizou, entre outras, a Fábrica do Rossio de Santa Clara, fundada por Domingos Vandelli, em 1784, cujas faianças eram consideradas as melhores do País, ombreando com as congéneres da Real Fábrica de Louça, ao Rato.

A sua inclusão nas festas da cidade remete para a figura da sua padroeira, Rainha Santa Isabel e para os Mosteiros onde viveu e foi sepultada, que em muito contribuíram para o desenvolvimento da cerâmica local, fruto das suas vultosas encomendas.

António Pacheco

Director do Museu Nacional de Machado de Castro

catálogo®Cerâmica2.pdf